sábado, 25 de outubro de 2014

Passarinho...

Uma ave (45?) que estaria na base aliada de um prefeito de cidadezinha do interior, trilou:
"Medalhões do partidão visitaram a Prefeitura e impuseram que o alcaide comprasse convite para um almoço no valor de R$ 5.000,00".
Pra quê? Para que o governo federal liberasse um novo caminhão para o município.

A penosa não disse se o prefeito comprou o convite com o dinheiro dele ou do erário.
A ave também não falou por que não denunciou na mídia (Face, blog, etc).
Também não quis dizer se teria muita grana em jogo, ou se o prefeito foi "convencido" por algum deputado mensaleiro.

Uma coisa é certa: se o burgomestre da cidadezinha de merda comprou o almoço, ele foi comprado, e é um alcaide de merda, covarde e oportunista.

4 anos num domingo...

Amanhã, não fique "deitado em berço esplêndido":
Vote contra a corja que administra o Brasil... 
Vote Aécio - 45...
Vote contra os mensaleiros e a camarilha que infesta o país...
Vote por "mudanças já!"

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Daí, nada...

Salvo uma parcela do eleitorado que baba de raiva quando ouve falar em roubalheira no erário, o resto está pouco se lixando. Parte-se  do pressuposto de que todo político é ladrão. E que ladrão e canalha só nos resta aturá-los.
Por isso votam, e os ladrões e os canalhas voltam.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Parece que bebem!...

Partido do Mensalão apóia Dilma...
............................................................
Os políticos no poder municipal (prefeito, vice-prefeito e uma penca de vereadores) de Salesópolis estão apoiando a reeleição de Dilma Roussef. Dizem que é um pedido (ou imposição?) dos deputados do PR.

O mesmo estaria acontecendo nos municípios de Biritiba Mirim e Guararema.
..............................................
Fica aqui um pergunta: Como fica a situação do sr. Lélis Renó, conhecido lançador de ovos podres e tomates em Rafael da Silva e Vanderlon nestes dois anos?  Foi tudo jogo de cena? 
Será que ele (Lélis) não tem um pingo de vergonha de partilhar essa união? Tudo conveniência de hora?

Quanto mais se vive mais se vê, e mais se comprova o caradurismo dessa gentalha, e também que o que está errado continuará errado, por conta desses postes que o povo coloca a representá-lo.
Aliás, o povo é o retrato fiel dos políticos que ele elege. Eles se merecem...

Quanto ao beber, bebericar, o prefeito de Salé bebe sim, É chegado numa Guaraná, como aduziu outro dia a vereadora Sandra Assis. Se "fica de fogo", só a senhôra dele e o vice podem dizer... 

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Mais uma papagaiada da Administração Municipal...

Partindo do secretário da Educação, que é um professor egresso da área do acondicionamento físico, sem prática alguma da metodologia tradicional, mas que agora pretendeu levar seus instintos pedagógicos para as salas de aula de Salesópolis.

Pois bem. Em sessão solene da Câmara, resolveram eleger o "Professor nota Dez"....
Troféu pura politicagem, pois para uma premiação de tal envergadura, qual seria a forma, os critérios para se quantificar o rendimento de um professor de ensino fundamental nos atuais dias?

Como ocorre em grandes empresas, o funcionário é premiado quando se atinge uma meta previamente estipulada em busca de um objetivo real. Dessa forma, seus companheiros não têm como questionar e possivelmente terá uma motivação para que no futuro também busque alcançar a mesma meta ou ultrapassá-la.
E na área da educação, mormente pública?

No "Professor Nota 10", qual foi o critério de avaliação? A quem coube a competência de avaliar? A pergunta é pertinente, haja vista que em política quase tudo é possível e carimbado de casuísmo, não se descartando até o uso de artimanhas para se atingir um fim, mesmo que esse fim seja questionável (do começo ao fim!).

Há quem diga que a premiação foi um tiro no pé, pois os candidatos teriam sido escolhidos a bel-prazer do secretário e diretores, e os bons professores (que não são 10!) certamente sentir-se-ão desmotivados daqui pra frente, ou então, irão fazer corpo mole e se exercitar no puxa-saquismo de secretário e diretores, uma prática curricular muito em voga e que rende prêmios.

Falta dar nota e troféu aos vereadores, partícipes do evento. Nota zero, com louvor! E nesse caso, quem avalia é a população.

domingo, 19 de outubro de 2014

O sínodo do homossexualismo...

Texto de João Eichbaum (blogspot.com)

O papa Francisco é um homem moderno. Ou faz questão de aparecer como tal. E mais: demonstra preocupação, menos com a liturgia do cargo do que com as cobranças que o povo e alguns segmentos da sociedade lhe possam fazer.

A impressão que se tem é de que ele se sente na obrigação de retribuir a calorosa recepção, que sua investidura como pontífice máximo da cristandade, despertou no mundo inteiro, conferindo-lhe uma liderança que poucos de seus antecessores tiveram.

Quando esteve no Brasil, o preço que sua popularidade pagou foi cobrança de um tema que, para a imprensa brasileira, é o mais importante de todos: homossexualismo.
É, sim, na pobreza de visão que a “grande imprensa” tem, a homofobia, o casamento ”gay” e outras coisas do gênero, representam  os maiores problemas, ou pelo menos a matéria jornalística mais importante. A impressão que se tem é de que nesse nicho da imprensa só tem veado e sapatão.

Então esse “problema” foi levado ao papa e de Sua Santidade foi cobrado um pronunciamento, do qual ele não se esquivou, deixando de boca aberta os apalermados jornalistas: “quem sou eu para julgar os homossexuais”?

E como um “gaúcho” que não foge da peleia, o papa argentino acabou por convocar um sinodo, em cuja pauta figura o tal de “homossexualismo”.
Os bispos se pronunciaram sobre o tema: não disseram nada de novo. Em outras palavras repetiram o que já havia dito o papa para os ansiosos jornalistas brasileiros: os homossexuais não devem ser escorraçados da Igreja, mas casamento, mesmo, só de homem e mulher.
Pronto. Está aí. A Igreja falou.

Será que o pronunciamento vai mudar o mundo e seus costumes? Será que os pederastas, de agora em diante, vão dar a bunda com menos “stress”? Era exatamente isso que a “grande imprensa” brasileira queria ouvir?

Os bispos ficaram na deles: o que não tem solução, nem o Espírito Santo resolve. Cada um dá o que gosta de dar, e Deus não ta nem aí.
Por acaso Jesus Cristo condenava as prostitutas? Ou a imprensa brasileira pensava que a Igreja iria atirar pedra nos homossexuais?

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Uau !.....

Sabem quanto ganha o senhor Benedito Rafael da Silva?
R$ 20.662,00 como aposentado do DAEE e mais R$ 7.000 da Prefeitura de Salesópolis.
Total: R$ 27.662 mensais...

Sua senhôra, a primeira-dama, também é aposentada da Câmara Municipal de Mogi, e deve receber uns R$ 15.000,00 por mês.

Por isso que a fala da vereadora Sandra Assis ("O prefeito e seu vice precisam é trabalhar!...") não surte nenhum efeito. Quem precisa trabalhar com todo esse salário pingando (Epa!) todo mês na conta-corrente?

Qual é o real compromisso dessa gente com o município? Seria angariar votos para adeptos de mensaleiros?

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Impeachment da Dilma...

Um texto de José Mauricio de Barcellos  (Diário do Poder)

Impeachment ou impugnação de mandato eletivo denomina o processo de cassação de mandato do chefe do Poder Executivo, se Federal pelo Congresso Nacional, a partir de uma denuncia válida de prática de crime comum, crime de responsabilidade, abuso de poder, desrespeito as normas constitucionais ou violação de cláusulas pétreas da Constituição da República.

No Brasil o único exemplo que se tem é o de Fernando Collor de Mello, em 1992 – o primeiro presidente a sofrer impeachment – por envolvimento em esquemas de corrupção em parceria com seu sócio e tesoureiro de campanha eleitoral, Paulo Cesar Farias, denunciado pelo seu irmão Pedro Collor de Mello, na revista Veja, daquele ano.

A rigor, a quadrilha de PC Farias que lidava com milhões de cruzeiros, pode-se dizer que eram ladrões de galinha, meros amadores diante da turma do mensalão e dos ladrões da Petrobrás, estes sim profissionais do ramo. Aqueles eram pobres punguistas, vigaristas de bairro. Estes só podem ser equiparados aos barões do narcotráfico internacional. A diferença é imensa.
Texto completo AQUI

segunda-feira, 13 de outubro de 2014